Construa seu Cérebro !

Fernanda Dall'AneseCOACHING, REFLEXÃO VIDALeave a Comment

Coaching para melhorar sua aprendizagem

Você já ouviu falar em Neuroplasticidade?
Ouvi essa palavra alguns dias atrás do meu treinador Coach – Sulivan França e fiquei com aquilo na cabeça. Fui pesquisar mais a fundo os benefícios da neuroplasticidade e descobri mais sobre o assunto com Lara Boyd, uma neurocientista canadense que me clareou bastante sobre o assunto.

Diz Lara que de acordo com seus estudos O Cérebro pode ser mudado de 3 formas básicas para acompanhar a aprendizagem.

A primeira Forma é : Química
O cerebro funciona atraves da transferencia de sinais químicos, entre células cerebrais chamadas neuronios que desencadeiam uma serie de ações e reações.
Para acompanhar a aprendizagem, o cérebro pode aumentar a quantidade de sinais químicos que ocorrem entre os neuronios.
Como essa alteração pode ocorrer muito depressa ele acompanha a memória de curto prazo ou então a melhoria a curto prazo no desempenho de uma competência motora.

A segunda forma é: Estrutural
Durante a aprendizagem o cérebro pode alterar as ligações entre neuronios. Nessa segunda forma, a estrutura fisica do cerebro está se alterando porém é um pouco mais demorado. Estas mudanças estão associadas a memoria de longo-prazo, e ao aperfeiçoamento de longo prazo de uma competência motora.

Os processos descritos acima interagem, e Lara explica como:

Todos tentamos aprender uma nova competência motora, como por exemplo tocar piano, fazer malabarismo, e assim termos a experiência de melhorarmos continuamente e numa unica sessão de treino e de pensar: “Consegui”.

Talvez tenhamos retomado no dia seguinte e todos os progressos do dia anterior se tenham dissipado.

O que aconteceu?

A curto prazo o cérebro conseguiu aumentar os sinais químicos entre os neurônios mas por algum motivo essas alterações não causaram as mudanças estruturais necessárias para acompanhar a memória de longo prazo.

Memórias de longo prazo levam o seu tempo, o que vemos a curto prazo não se reflete na aprendizagem. São as alterações físicas que irão acompanhar as memorias de longo prazo e as alterações químicas são as que acompanham as memorias de curto prazo.

As mudanças estruturais podem originar redes integradas de regiões cerebrais que funcionam em conjunto para acompanhar a aprendizagem e regiões cerebrais importantes para comportamentos específicos que podem mudar a estrutura ou expandir.

Lara cita por exemplo o estudo feito com os taxistas de Londres.
Estudos demonstram que taxistas londrinos que têm que memorizar um mapa de londres para obter a sua licença tem regiões maiores no cérebro para memórias espaciais e de mapas.

A Terceira forma é a Funcional
A ultima forma que o cérebro encontra de mudar para sustentar a aprendizagem é alterando sua funções, a medida que usamos uma área do cérebro é cada vez mais estimulante e fácil usa-la novamente. O cérebro tem áreas que reforçam os estímulos, e o nosso cérebro muda como e quando são ativadas.

Com a aprendizagem vemos redes inteiras de atividades cerebral mudando.

A neuroplasticidade acontece quando ocorre a junção das três formas que o cérebro tem para aprender que são: químicas, estruturais e funcionais.

Estas mudanças ocorrem em todo o cérebro. Podem ocorrer independentemente umas das outras, mas normalmente ocorrem em conjunto. Juntas sustentam a aprendizagem. E ocorrem a toda hora.

Aí surgem as questões :

Porque não conseguimos aprender o que nos acontece com facilidade?

Porque nossos filhos falham na escola?

Por que é que com a idade tendemos a esquecer as coisas?

Porque as pessoas com lesões cerebrais não se recuperam?

O que limita e facilita a neuroplasticidade?

O que podemos mudar?

De todas essas questões basicamente podemos tirar duas lições:

A primeira lição é que o principal fator de mudança cerebral é o comportamento, não há nenhuma droga possível para tomar para neuroplasticidade.

Nada é mais eficaz do que a prática para nos ajudar a aprender.

Quanto maior a dificuldade ou o esforço durante o treino maior é a aprendizagem e a mudança estrutural no cérebro.

O grande desafio é que a quantidade de comportamentos e de treino necessária para aprender, potencializar ou reaprender novas competências é muito grande.

Como fornecer de forma eficaz estas grandes quantidades de treino?

Pelo fato dos padrões da neuroplasticidade variarem muito de pessoas para pessoa.
O ideal é começar uma investigação particular.

Passar por um processo de coaching é fundamental para entender nossos comportamentos e saber quais habilidades e competências queremos ou devemos treinar para atingir nossos objetivos.

A segunda lição é que: Não existe uma abordagem universal à aprendizagem. Não há uma fórmula para aprendizagem.

É necessario se utilizar das particularidades de cada um para tratar cada indivíduo personalizadamente.

Os comportamentos que temos no cotidiano são importantes. Cada um deles muda nosso cérebro. Temos que considerar não só a medicina personalizada como também a aprendizagem personalizada.

Treinar através da repetição os comportamentos que são úteis para o seu cérebro e eliminar os comportamentos e os hábito que não são.

Pratiquem!!!

A aprendizagem trata-se de fazer o trabalho de que o cérebro precisa.
As melhores estratégias irão variar conforme o indivíduo.

Tudo que encontramos e vivenciados altera o nosso cérebro e isso pode ser para melhor mas também pode ser para pior.

Descubra que você é e Construa o cérebro que deseja!

Fernanda Dall’Anese
Coach / Analista Comportamental

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *